Estudo das estratégias de braçadas de nadadores, demonstrando a importância da frequência e do comprimento para a mensuração da eficiência mecânica

Autores

  • Anselmo José Perez Universidade Federal do Espírito Santo

Resumo

O objetivo deste artigo é, além de uma revisão pormenorizada sobre os estudos envolvendo as estratégia de braçadas utilizadas pelos nadadores e nadadoras em todo mundo, apresentar resultados de pesquisas desenvolvidas em nadadores brasileiros, demonstrando com isso a importância da frequência média de braçadas - FMB e da distância média por braçadas - DMB para a avaliação do desempenho dos atletas. Para isso o trabalho é iniciado com uma apresentação sobre a relação da produção de energia e o deslocamento do nadador, estudando-se princípios relacionados a hidrodinâmica da natação, os conceitos de velocidade média, FMB e DMB, ítens esses que auxiliarão na interpretação sobre a utilização dessas variáveis como um meio de mensuração indireta da eficiência mecânica do nadador. O texto continua com dados da literatura que mostrom a importância das variáveis antropométricas, e por fim buscando uma interpretação conclusiva.

Biografia do Autor

Anselmo José Perez, Universidade Federal do Espírito Santo

Professor de Treinamento Esportivo

Referências

Feijó OG. Corpo e movimento: uma psicologia para o esporte. Rio de Janeiro: Shape; 1992.

Craig Jr AB, Pendergast DR. Relationships of stroke rate, distance per stroke, and velocity in competitive swimming. Medicine and Science in Sports. 1979 Jan 01;11(3):278-283.

Biomechanics. Chicago: Athletic Institute; 1971. The role of lift in propelling the swimmer; p. 179-188.

Maglischo EW. Swimming faster. Mountain View: Mayfield Publishing Company; 1982.

HAY, J G. Biomecânica das técnicas desportivas. Rio de Janeiro: Interamericana, 1981.

Schleihauf Jr RE. Swimming propulsion: A hydrodynamic analysis. Swimming. 1979;III:70-109.

Alley LE. An Analysis of Water Resistance and Propulsion in Swimming the Crawl Stroke. Research Quarterly. 1952;23(3):253-270.

Kennedy P, Brown P, Chengalur SN, Nelson R. Analysis of Male and Female Olympic Swimmers in the 100-Meter Events. Journal of Applied Biomechanics. 1990;6(2):187–197.

East DJ. Swimming: an analysis of stroke frequency, stroke length and performance. New Zealand Journal of Health. Physical Education and Recreation. 1970;3:16-27.

Craig Jr AB, Skehan PL, Pawelczyk JA, Boomer WL. Velocity, stroke rate and distance per stroke during elite swimming competition. Medicine and Science in Sports and Exercise. 1985;17:625-634.

Ungerechts BE, Wilke K, Reischle K. Swimming Science. Vth ed. Champaign: Human Kinetics; 1985. Relationship of blood lactate accumulation to stroke rate and distance per stroke in top female swimmers; p. 295-303.

Grimston SK, Hay JG. Relationships among anthropometric and stroking characteristics of college swimmers. Medicine and Science in Sports and Exercise. 1986 Feb 01;18(1):60-68.

Fernando Scherer e Gustavo Borges confrontados com a evolução geral da natação brasileira nos anos 90

Downloads

Publicado

2022-04-13

Como Citar

1.
José Perez A. Estudo das estratégias de braçadas de nadadores, demonstrando a importância da frequência e do comprimento para a mensuração da eficiência mecânica . Nadar! Swim Mag [Internet]. 13º de abril de 2022 [citado 4º de julho de 2022];2(165). Disponível em: https://www.revistanadar.com.br/index.php/Swimming-Magazine/article/view/21

ARK